CAMPANHA CARNAVAL SEGURO DO HE ENCERRA COM PALESTRA

CARNAVAL SEGURO É O FOCO NO MÊS DE FEVEREIRO NO HE
5 de fevereiro de 2018
ORIENTAÇÃO PARA PREVENÇÃO DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS
15 de março de 2018

CAMPANHA CARNAVAL SEGURO DO HE ENCERRA COM PALESTRA

No dia 08 aconteceu a palestra “Conscientização e Promoção de um Carnaval Seguro e Saudável”, ministrada pelo enfermeiro Denilson Fonseca, pela psicóloga Daynah Giaretton e pela médica nutróloga Patrícia Peres. O evento fez parte da campanha Carnaval Seguro, promovida pelo serviço de Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho (SOST) do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas (HE UFPel) e pela Comissão Interna de Prevenção a Acidentes (CIPA).

Denilson iniciou com uma reflexão sobre o carnaval na história e a sua relação com o uso do álcool, comumente associado aos excessos, bem como a sua origem e costumes. Também foi abordada a política de redução de danos. Além disso, ele conceituou as substâncias psicoativas, frequentemente utilizadas, que tem como principal característica a sua atuação no Sistema Nervoso Central, alterando o comportamento dos indivíduos. “Nessa época do ano é muito comum o uso do álcool e, por isso, reforça-se os cuidados pelos excessos”, afirmou.

Em seguida, Patrícia apresentou os principais efeitos do álcool no organismo e frisou o seu consumo crescente pela população. Em sua fala, a médica apresentou índices de consumo ideais que o organismo consegue metabolizar de forma saudável. Para isso, ela ilustrou o teor alcoólico de diferentes bebidas, bem como os tipos de consumo, relacionados a quantidade e frequência de ingestão. Também foram destacadas as variações de metabolismo de acordo com características individuais como peso, sexo, altura e vulnerabilidade genética.

Após, Daynah falou sobre a relação do consumo de bebidas alcoólicas com as questões existenciais, como forma de prevenção, buscando diminuir a vulnerabilidade. A psicóloga também destacou a importância de trabalhar a autenticidade nessas pessoas. “Percebe-se um repertório social limitado em indivíduos mais propensos ao alcoolismo”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *